Portugués | English | Español | Русский (russian) | Deutsch | Italiano | Français | Все новости |
 
roni
Биография * PokerStars * Последние фото * CHAT * * Ссылки * Баннеры * Вэбмастер
Новости
Календарь

Пн Вт Ср Чт Пт Сб Вс
 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30     
This day in history of Ronaldo

2004

Real Madrid 1:1 Valencia! Full time.

Brasil ajuda Tunísia a entrar para história do futebol africano

Em Valęncia, o clássico de Ronie

Real escapa de derrota em casa contra o Valência

El Valencia, un clásico para Ronie

RONALDO: "UNA VICTORIA HOY VALE GANAR MEDIA LIGA"

El Bernabéu acoge el pulso por la Liga

Despues del primer tiempo...

Un polémico penalti aparta al Valencia del liderato

Rafa Benítez: "La culpa la tenemos nosotros por ganar una Liga hace dos años"

Salva empata con Mista y ya está a seis goles de Ronaldo, que hoy no pudo marcar frente al Valencia

1-1: Figo defiende la imbatibilidad del Bernabéu

Абрамович соблазняет Роналдо

Бразильским футболистам станет на несколько грамм легче

Зидан дисквалифицирован

Вальдано оштрафовали на 2 000 евро

Бекхэму досталось от бешенных фанаток

Игра с Валенсией - классик для Рони

Новая эра в Азербайджане

Роналдо: "Победа сегодня равна половину титула"

После первого тайма...

"Реал Мадрид" - "Валенсия" 1:1. Статистика матча

Nations-Brazil help Tunisia on to African map

Valencia, a classic

Soccer-Brazil's 1970 World Cup captain named Azerbaijan coach

Real scrape last-gasp draw against Valencia

On the spot Figo saves Real's bacon in Spanish title clash

2005

Photos: Casamento de Ronaldo

Gil, Luxemburgo e Kaká prestigiam boda de Ronaldo

Cicarelli expulsa modelo de seu casamento

Ronald é o convidado mais novo de boda de Ronaldo

Como presente, Luxemburgo perdoa atraso de Ronaldo

A noite foi estupenda

SHEVCHENKO-RONALDINHO BALÓN DE ORO VS FIFA WORLD PLAYER

Ronaldo y Daniella sellan su amor en París

Regreso al trabajo en Las Rozas

Сколари одобряет работу Люшембургу в Реале

Возвращение на работу

Роналдо опоздал и ушел по раньше

Ночь была замечательной!

2006

Seleção apresenta uniforme para a Copa da Alemanha

Cafu desembarca no Brasil para ser operado

Brasil continua na liderança do ranking da Fifa

Brasil vai enfrentar a Nova Zelândia antes da estréia na Copa

Brasil jugará frente a Nueva Zelanda un amistoso de preparación nueve días antes de su debut

Бразильцы везут в Москву сильнейших

Brazil to play New Zealand in World Cup warm-up

2007

"Grupo do Brasil é complicado", diz Dunga

Cicinho entra na reta final de sua recuperação

San Siro é liberado para Copa dos Campeões

Robinho pode seguir caminho de Ronaldo, diz empresário

Cicinho vuelve a correr y Roberto Carlos ya toca balón

EL AGENTE DE ROBINHO SE REUNIRÁ CON MIJATOVIC

VIVIR Y DEJAR VIVIR A ROBINHO

Milan: il 99 di Ronaldo all`asta per Nazareth

Kaladze, "Ronaldo-Shevchenko? Chissa'..."

INDICAZIONI IMPORTANTI

Сисиньо начал бегать, Роберто Карлос приступил к работе с мячом

Сильвио Берлускони: в будущем Кака будет капитаном "Милана"

2008

CBF demite médico que disse que Ronaldo usou anabolizantes

GERARD SAILLANT: "Agora tudo depende de Ronie"

Flamengo e São Paulo se prontificam para ajudar Ronaldo

Ronaldo e Romário continuam na mira do Flamengo

Técnico do Milan acha que Ronaldo ainda pode render bem por 3 anos

Ronaldo inicia recuperação, mas Milan não confirma renovação

Pai visita Ronaldo e assegura: “Ele é guerreiro e vai voltar”

GERARD SAILLANT: "Agora tudo depende de Ronie"

GERARD SAILLANT: "Ahora depende todo de Ronie"

La conferencia de nuestro técnico giró en torno a Ronaldo

GERARD SAILLANT: "Adesso dipende tutto da Ronie"

LEONARDO: 'Ronie sa cosa deve vivere'

UN'ALTRA OCCASIONE

PARMA-MILAN: I CONVOCATI ROSSONERI

Ronie comincia la rieducazione

GERARD SAILLANT: "Agora tudo depende de Ronie"

Слова Джерарда Сайланта

Бразильцы помогут Роналдо

Галлиани будет ждать возвращения Роналдо

Роналдо цифрами и датами

"Чёртова дюжина" Роналдо

Четвертый черный

GERARD SAILLANT: "Now it all depends on Ronie"

AC Milan vice-president hopeful over Ronaldo injury

2009

Mano sem pressa com Ronaldo

Дунга: единственный ответ критикам — победа

2010

Fenômeno fez, nesta segunda-feira, o primeiro treino no gramado desde a lesão na coxa direita. Chicão e Defederico também retornam

2011

Quarta-feira, 9 de fevereiro, o dia que Ronaldo decidiu se aposentar

Com tendência a engordar, Ronaldo quer ser saudável: Não vou ficar feio

Despedida de Ronaldo do futebol emociona ilustres corintianos

Ronaldo Fenômeno sonha em fazer despedida com a camisa da Seleção

До свидания, Феномен!

Роналдиньо: огорчён уходом Роналдо из футбола

Леонардо: "Роналдо — величайший форвард в истории футбола"

Роналдо, которого мы потеряли

Роналдо. Пропуск в историю

2013

Легендарный Роналдо снова в форме (фото)

Partners




Яndex.direct

eXTReMe Tracker

Новости

18/06/2010
O homem que ama odiar

 
     
Entre os muitos tipos humanos sobre a Terra, há os que amam odiar. Viciam-se na ira e nos seus filhotes - o rancor, a mesquinharia, o isolamento, a grosseria, a amargura, o deboche. Os brasileiros estamos expostos a doses cavalares de hostilidade, professada com paixão inapelável por um personagem fundamental nesses dias de Copa: ele mesmo, Dunga. O técnico da seleção mergulhou no fel, e com ele conduz seus dias - e os nossos - na África do Sul. Privatizou a grife esportiva mais famosa da Terra como se a ele pertencesse exclusivamente e, embriagado de raiva, distribui estupidez por quem lhe cruza o caminho. E, o horror, contaminou nosso jogo.

A mazela vem de longe. Volante de estilo opaco e resultado eficiente, Dunga esculpiu, à custa de muita perseverança, trajetória vencedora no futebol. Suas pernas grossas, de pés excessivamente voltados para dentro, semicurupira dos pampas, o conduziram pelos campos do planeta em jornadas gloriosas, do Mundial de Juniores de 1983 à Copa do Mundo de 1994 e por vários clubes do Brasil e do exterior. Em todos os lugares, na vitória, no empate e na derrota, teve como companheiro o ódio difuso, dirigido a inimigos que só ele enxerga, e a quem vive para destruir.

O emblema dessa história está tatuado no ápice de sua trajetória. Capitão do tetra, subiu a tribuna do Rose Bowl, na Califórnia, para receber a Copa do Mundo - e emoldurou a cena com uma torrente de palavrões. Como bem observou o jornalista Marcelo Barreto, Bellini e Mauro ergueram a taça sobre a cabeça, Carlos Alberto a beijou, Cafu recebeu-a no alto do púlpito - Dunga a xingou. A vingança parecia, afinal, consumada, mas a luta recomeçou no instante seguinte, e não terminará jamais, por travada contra adversários que inexistem. Só ele não percebe.

Agora, empossado na seleção como antídoto heterodoxo para o veneno do descompromisso que, diagnosticaram os cartolas, matou o Brasil em 2006, o técnico neófito, de experiência zero, radicalizou a truculência. À razão de (muitas) patadas, ignora a torcida, despreza a alegria do DNA nacional e fecha-se na lógica mafiosa abrigada no tal grupo. Por ele, sacrifica o prazer do jogo, esmaga a beleza, massacra a paixão e tortura a plateia.

Tudo resultado de uma obsessão que remonta à adolescência do treinador, dedicada a antecessores dele na seleção, jogadores apaixonantes, mas, de canarinho, derrotados. Quis o destino que Zico, Falcão, Sócrates, Júnior, Leandro, Cerezo e outros não conquistassem título algum pelo Brasil - mas tivessem mesmo assim morada eterna no coração da torcida. Os brasileiros somos inapelavelmente apaixonados pela beleza que marca suas biografias em campo. Os lances de 1982 serão relembrados à eternidade, como os mais belos de uma equipe desde a maior de todas, a de 1970. Muito além do ganhar e perder, o time da Copa da Espanha é uma espécie de filho pródigo, que não dá certo na vida, mas vira o favorito.

Dunga não se conforma. Nos corredores dos bunkers pelo qual se esgueira no comando da seleção trancada, costuma repetir um bordão, como um humorista desinspirado: "Não ganharam nada, nem nas divisões de base!", berra, histriônico. O sujeito indeterminado é conhecido de todos: a geração de 1982. Está correto - a turma boa de bola perdeu dois Mundiais, pouco participou de Copas América, não existia a Copa das Confederações. Os prontuários dos alvos da obsessão viraram um prato cheio para a vingança do professor.

Só que a cruzada masturbatória cai no vazio da falta de adversários. Os perdedores da Espanha engoliram o choro, sublimaram a tristeza e seguiram seus caminhos. Esculpiram carreiras festejadas em clubes, são cultuados por torcidas variadas, acumularam títulos e fama, fortuna e prestígio. Engrossam sem desconforto as homenagens aos mais bem-sucedidos em Copas, porque a vida, afinal, é muito mais do que ganhar ou perder uma taça. Assim, para Dunga, sobra o nada como alicerce do rancor.

No verão europeu de 2006, a patologia emergiu num convescote em Munique. O hoje técnico, então comentarista de TV (entre jornalistas, que tantas urticárias lhe causam), estava entre os convidados da festa de abertura da Copa da Alemanha, que tinha como ponto alto um desfile dos campeões do mundo. No saguão do Dorint Sofitel, cinco estrelas da Bayerstrasse, ao lado da estação ferroviária da capital da Baviera, reuniram-se lendas da bola como Bellini, Ghiggia, Paulo Cesar Caju, Breitner, Bebeto, Bobby Moore, Passarela. Num dado momento, Dunga interrompeu a conversa com o capitão de 1958, num carrinho verbal merecedor de cartão amarelo:

- Nem adianta procurar aqueles jogadores que vocês da imprensa adoram. Aqui só tem campeão! - vociferou, com o mesmo olho vidrado e sorriso trancado que exibe nas coletivas n'África.

(O hoje técnico reconheceu o blogueiro, então comentarista do Sportv e assumido defensor dos craques brasileiros. Daí a provocação, que desembocou na foto ao lado, com Bellini e o repórter Antonio Maria Filho.)

Alguns interlocutores ficaram sem entender, e o capitão do tetra seguiu em frente. Desfilou com os campeões na Allianz Arena, sem saber que, meses depois, assumiria a seleção brasileira. No cargo, as neuroses acentuam-se a cada dia. Ressurgem em flertes com regimes racistas e totalitários - "Não posso falar da ditadura pois não vivi aquela época, assim como não posso ficar falando da escravidão" -, que materializam, de lambuja, a triste ironia da barbaridade saída da boca do filho de uma professora de história. Teimam no elogio constrangedor (para quem ouve) a tiranos bandidos, como Robert Mugabe - "No Zimbábue, vi crianças uniformizadas, educadas".

Vivem na imposição de uma rotina que, de tão autoritária, conseguiu a proeza de incomodar a Fifa, entidade que está longe de ser um esteio da democracia. E Dunga levou pitos públicos, que o forçaram a afrouxar um pouquinho os grilhões dos craques brasileiros, o chamariz mais poderoso do negócio Copa. "Sim, a seleção é minha, porque não é a da maioria dos presentes", arriscou-se, já na África, no estilo que, agora, com a bola e os problemas rolando, virou uma muleta para ele. Nas entrevistas que é obrigado a conceder, ataca os jornalistas como estratégia para não tratar do que é pago para fazer. Bobo é quem cai na arapuca. Mas aqui, o treinador acumula uma ou outra vitória.

Os sintomas aparecem também nas escolhas que formaram sua lista. Agarrado a um punhado de jogadores inegavelmente vencedor, trancou-se a novidades que poderiam lhe facilitar a vida e proporcionar alguma felicidade ao distinto público. Levou um grupo sem opções de mudança, que joga todo igual, com variações mínimas.

A oferta de mudança radical tem nome e apelido: Paulo Henrique Ganso. É verdade que, num calendário espremido, não houve tempo para testar o jovem talento do Santos. Mas está longe de ser problema insolúvel para uma cabeça mais criativa. Dunga poderia ter se permitido conversar com o craque e seu técnico - Dorival Jr, profissional sério até prova em contrário - para saber da possibilidade de levá-lo. Poderia encontrar-se com o jogador uma, duas, dez vezes, e apostar. (A recente operação de joelho do inquilino da camisa de Pelé não serve como desculpa; o procedimento se deu apenas para aproveitar o intervalo na temporada.)

A lista da Copa é uma cabeçada de 23 jogadores. Se Ganso sucumbisse à pressão, ficaria lá, sujando roupa como figurante sem fala nos treinos, um kleberson qualquer. Se desabrochasse, seria candidato a solução. Mas não. Na filosofia de Dunga, improviso e mudanças de última hora estão permanentemente banidos.

O desempenho meia-bomba de Kaká na estreia ganhou, assim, status de trapaça da sorte, diante das escolhas do treinador. A seleção vai na força de quem sempre ganhou no jeito (até em 1994, com Romário e Bebeto), no retrospecto que faz os adversários hesitarem, no time da defesa sólida e ataque pedestre, vítima, entre outros, do autonaufrágio de Adriano - ausência que, aliás, é um acerto do professor. Pode perfeitamente ganhar, como o fez em duas Copas América e na última Copa das Confederações. Aí, o técnico vai se dar bem na alta aposta que fez. Mais do que ninguém, não pode fracassar, sob pena de o mundo cair-lhe na cabeça.

Mas se o hexa vier, não resolverá. De novo, o eterno vingador vai blasfemar o mundo e as estrelas, os punhos cerrados como nos tempos em que corria atrás da bola. Batman sem coringa, não descansará, para recomeçar sua luta sem fim nem sentido, de apaixonado pelo ódio.

Dunga pode ganhar, mas, por pecados que são todos seus, jamais conseguirá vencer.
 

 


19.06.2010 08:51 +0400
fuente/источник/source

Google
Google AdSense

Счетчики

IvPlaneta.RU

Яндекс.Метрика

//

Роналдо - 41 лет. Гражданство: Бразилия. - Двукратный чемпион мира - 1994, 2002; - Двукратный чемпион Испании - 2003, 2006.
Copyright 1997-2018 (c), Created and administrated by Amaurys Bruno Alfonso,
Designed and Powered by "Computer Plus", Ltd. por Amaurys Bruno Alfonso. В Интернете с 1997,
Созданно и администрировано Амаурисом Бруно Альфонсо, Дизайн и поддержка студии "Компьютер Плюс" и Амаурис Бруно Альфонсо
Придумано, создано и ведется в городе Родники Ивановской области!
Другие новости Роналдо в Google...